sexta-feira, 16 de setembro de 2011

De volta ao Acre



Soldados da borracha atentos à exibição do documentário em Rio Branco


Catorze meses depois das filmagens e após a exibição em festivais nacionais e internacionais, "Soldados da Borracha" chegou a Rio Branco, Acre, em quatro sessões concorridas, nos dias 12 e 13 passados, no Cine-Teatro Recreio. Estive lá por seis dias e, à parte a correria, tudo foi muito gratificante, em especial receber os cumprimentos dos seringueiros que viram o filme.
Além do prazer de assistir ao filme na grande tela, ouvir observações inteligentes sobre a linguagem e elogios à fotografia de Pedro Faerstein e ao som direto de Etienne Chambolle, também tive a alegria de dedicar duas dessas exibições aos próprios soldados da borracha, que seguiram atentamente a narrativa. Walter Nunes de Castro e Antônio Tomé Dias, personagens do documentário, estiveram no cinema e aprovaram o filme .Seu Walter brincou dizendo que já tinha gostado das filmagens, mas que não punha muita fé que eu levasse o projeto adiante. "Sabe como são as coisas no Brasi, né? Iniciam, mas não terminam..." - disse ele, com seu tom crítico e ao mesmo tempo divertido.
Entre seu Antônio (de verde) e seu Walter: soldados em debate

Um a um, eles me cumprimentaram: honraria
No dia 10, participei  também de uma assembleia no Ginásio do Sesi, promovido pelo Sindicato dos Aposentados, Pensionistas e Soldados da Borracha do Estado do Acre. O convite partiu da deputada federal Perpétua Almeida (PC do B - AC), relatora da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 556/02, que reivindica no Congresso Nacional a equiparação dos seringueiros aos combatentes da Segunda Guerra Mundial. Nesse encontro, sindicalistas, políticos e eu apoiamos a união em torno dessa causa, aproveitando a inclusão dos soldados da borracha no panteão de heróis da pátria, que acontecerá em 17 de novembro, em Brasília. O assunto, aliás, já deve voltar à pauta do Congresso em breve, reacendendo a esperança desses veteranos pelo benefício de sete salários-mínimos mensais no lugar dos dois salários habituais. O Brasil deve isso a eles!
Fotos no cinema (acima): Talita Oliveira. Fotos da assembleia (abaixo): Flávio Accardi.

Discurso de apoio à PEC, com seu Antônio

Soldados de vários municípios acreanos prestigiaram a assembleia
Com Perpétua Almeida e Luziel, do sindicato

Um comentário:

  1. meu sogro veio para o acre com a esposa e tres filhos inclusive meu esposo que na epoca tinha 5 anos,no ano de 1945, ja contratados em fortaleza-ce para trabalhar no seringal do Sr. Ramiro Prado rio enviras, seringal california,onde passaram por muitas e muitas dificuldades. retornando para o ceará em 1960.foram 15 anoscomo,meu sogro ja falecido, minha sogra tem 94 anos,gostaria de saber a quem ela procura para dar entrada nos seus direitos.

    ResponderExcluir